>::

EUA: O neopessimismo

por Charles Simic, New York Review of Books

Tradução do Coletivo da Vila Vudu


Nem lembro quando ouvi, pela última vez, alguém se manifestar com genuíno otimismo sobre o futuro dos EUA. Descontem-se os políticos, os donos de bancos de investimento e os generais, porque esses são pagos para oferecer garantias para qualquer coisa, apesar da economia que degenera nos EUA e das guerras suicidas em que o país está envolvido, e os narcisistas de sempre, acostumados a dar as costas aos sofrimentos dos nossos irmãos de destino nos EUA.

Até há bem pouco tempo, os anunciadores do apocalipse eram raros entre meus amigos e conhecidos. Sempre houve desses em maior número entre os mais velhos, cuja vida já acumulava considerável carga de tragédias e desilusões, o que bastava para que nos convencêssemos de que aquele pessimismo sombrio não seria aplicável a nós, os mais jovens.

Há algum tempo, ainda se encontravam otimistas inveterados, idealistas e até alguns realistas Niebuhrianos [1] ; hoje, só se encontram pessoas de todas as idades e contextos, sempre ansiosas para contar como tudo vai terrivelmente mal e, em registro mais pessoal, como a vida pessoal e familiar degringolou – e como lhes parece difícil, não só pagar as contas, mas, também, entender como o país que conheciam tornou-se tão completamente irreconhecível.

Considere-se o assalto aos direitos dos trabalhadores pelo novo governador do estado de Wisconsin, Scott Walker e um grupo de senadores, sem qualquer discussão com a sociedade. A mesma abordagem espalha-se para outros estados dos EUA. Nesse país irreconhecível para os próprios norte-americanos, professores, sindicalistas, homens, mulheres e crianças, os desempregados e os desesperados são a causa de déficits insustentáveis; e prevalece uma filosofia de cão-que-devora-cão; e há quem espere que essa filosofia algum dia devolva a grandeza aos EUA.

Hoje, deve ser difícil para quem ofereça jantar aos amigos nos EUA, conseguir que todos não façam outra coisa, ao longo de todo o jantar, além de repetir, uns aos outros, a quantidade espantosa de estupidezes e mentiras que todos ouviram pelas televisões ou leram nos jornais. À medida que o jantar avança, então, vai ficando cada vez mais difícil evitar que se desinteressem da comida, da bebida e do jantar, envolvidos todos no triste jogo de disputar quem ouviu a maior estupidez, a mais completa sandice, da imprensa.

Sei que, quando me reúno com amigos, todos fazemos esforço consciente para falar de outros temas que não sejam filhos ou netos, reminiscências do passado e filmes a que assistimos, mas ninguém consegue, por muito tempo. E todos frustramos e entristecemos uns os outros, voltamos cada um para sua casa, incomodados e frustrados cada um consigo, como se sofrer pelo que está sendo feito contra nós não fosse assunto adequado à polidez das relações sociais.

Nessa atmosfera de ansiedade e histeria crescentes, na qual as causas verdadeiras e a escala do desespero nacional dos norte-americanos são deliberadamente ocultadas e encobertas pelo e no establishment político e pela imprensa-empresa, não surpreende que o que mais cresce sejam a confusão e a fúria, por todos os lados.

Como qualquer um que tenha viajado pelo país e conheça os EUA por conversar com os norte-americanos já sabe, os norte-americanos não são só mal informados; são dolorosamente ignorantes sobre praticamente todas as coisas que afetam a vida.

Como seria bom se o presidente Obama falasse aos norte-americanos e nos dissesse que o déficit é provocado, principalmente, pelas guerras que lutamos no Afeganistão e no Paquistão, pelas centenas de bases militares que os EUA mantemos pelo planeta, pelos vergonhosamente baixos impostos que se cobram dos ricos, pelo ‘resgate’ de Wall Street. Como todos sabemos, não há sequer uma mínima chance de que isso algum dia aconteça.

Pelas contas do presidente Obama, dizer a verdade aos cidadãos comprometeria sua campanha de reeleição, porque, se disser a verdade, ele não conseguirá arrecadar os bilhões de dólares de que precisa para reeleger-se. O tipo de gente que tem esse tipo de dinheiro e concordará em doá-lo para a campanha eleitoral sabe muito bem o que eleitores bem informados em democracia que funcione diriam a e fariam contra aquele tipo de gente, desde que os eleitores soubessem, com clareza, que eles, não nós, rasparam as caixas do Tesouro dos EUA e reduziram esse país à miséria, para enriquecimento deles, não dos EUA nem dos eleitores.

Não há dúvidas de que o presidente Obama e seu partido farão o que puderem para esconder a verdade e oferecerão soluções atraentes – como o programa de assistência à saúde, que não só não aumenta a cobertura, mas é mais vantajoso para as empresas médicas que para os cidadãos doentes, e pouco reduz os custos médicos.

O presidente Obama e seu partido contam com que essas medidas enganarão a maioria dos eleitores que não cuidam de procurar melhor informação sobre os detalhes. Além disso, são medidas que sinalizam claramente para os endinheirados que nada os perturbará muito gravemente.

Quanto aos norte-americanos que continuam a repetir que há algo fundamentalmente errado numa democracia que não se preocupa com a desigualdade sempre crescente, que denunciam a loucura galopante das aventuras militares infindáveis em que os EUA meteram-se no Afeganistão, que veem a miséria em que vivem os doentes e os desempregados, que veem o sofrimento dos mais pobres, sempre tão perto, tão à vista… Esses serão tratados como incapazes de avaliar com objetividade a realidade. E são lembrados de que, com o outro partido no poder, as coisas seriam ainda piores.

O motivo pelo qual os pessimistas e desesperançados multiplicam-se nos EUA é que todos desonramos a inteligência, o que esse país aprendeu da história, cada vez que nos recusamos a admitir que a corrupção é a fonte de todos os nossos males.

Não é preciso grande esforço mental para perceber que não há forças políticas ativas nem em Washington nem nas pequenas comunidades, nem em lugar algum, capazes de corrigir as ilusões em que os EUA afundam-se, de que os EUA seriam os guardiões do mundo. Qualquer ideia de boa solução que surja, sempre será avaliada pelos lucros que traga a um ou outro grupo de interesses – e correspondentemente bombardeada, se não trouxer os lucros imediatos com que contam e dizem merecer.

Diz o ditado, que o macaco se coça com a chave com que poderia abrir a gaiola que o prende. Há quem ache engraçado, há quem ache triste. Desgraçadamente para os EUA, somos o macaco na gaiola.

NOTA

[1] Karl Paul Reinhold Niebuhr (1892-1971) foi teólogo norte-americano, conhecido comentarista de assuntos públicos. Orador poderoso e escritor sedutor, já foi descrito como o mais influente ator da política interna nos EUA nos anos 1940s e 1950s. É autor da teoria da “guerra justa”. Seus escritos têm sido citados como importante influência no pensamento de muitos políticos dos EUA, entre os quais Jimmy Carter, Madeleine Albright, Hillary Clinton, John McCain e, recentemente, Barack Obama. O próprio Obama já reconheceu a influência do pensamento de Reinhold Niebuhr em seu pensamento. De fato, o motivo real pelo qual Obama interessou-se pelo pensamento de Niebuhr parece ser a ideia de combinar uma compreensão realista da política e da natureza humana, com um idealismo de inspiração religiosa [NTs, com informações de Wikipedia].

Fonte: Viomundo

::

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s