>::

AGNELLI: O HERÓI PRÓ-CÍCLICO

O conservadorismo brasileiro, é forçoso reconhecer, não abandona seus heróis e mitos. Roger Agnelli, colocado na presidência da Vale do Rio Doce pelo tucanato, em 2001, é um deles. A Vale foi privatizada por R$ 3,3 bilhões, em 1997. Atualizado, o valor corresponde ao lucro líquido da empresa obtida apenas em um trimestre (o 3º) de 2010. Um negocião. Agnelli é o herói pró-cíclico desse épico neoliberal. Compõe a galeria dos executivos ‘matadores’ de um capitalismo reflexo, imediatista, em que as coisas dão certo quando tudo dá certo. Esses centuriões atingem seu apogeu no ciclo de alta da acumulação, quando euforia, especulação e irresponsabilidade se mesclam fornecendo o pavio para o estouro inevitável do paiol econômico na etapa seguinte, em que empregos e riquezas são dizimados para o ‘ajuste responsável’. Nesse momento, as baterias midiáticas desviam o foco dos agnellis para martelarem ‘o corte das despesas públicas’ . O importante então é salvar a banca e as corporações e não desperdiçar recursos em programas, projetos ou obras do interesse da sociedade que envolvam despesas e investimentos públicos e privados prejudiciais aos retornos dos acionistas. Agnelli deu certo esburacando o país para saciar a fome das siderúrgicas chinesas e japonesas. Hoje o Brasil é um paradoxo mineral: exporta ferro e importa trilhos. Zero de agregação de valor. Enquanto o mundo mastigava avidamente o minério de teor de ferro mais elevado do planeta, Agnelli foi de vento em popa incensado pela mídia a cada balanço, seguido de robustas rodadas de distribuição de lucros aos acionistas. Bastou o primeiro soluço da crise mundial para que o herói pró-cíclico reagisse de forma reflexa e, como um réptil invertesse o bote: a Vale foi a primeira grande empresa a cortar 1.300 trabalhadores em dezembro de 2008, quando o governo tomava medidas anti-cíclicas na frente do crédito, do consumo e do investimento. A Petrobrás não demitiu. Ao contrário, reafirmou seus investimentos no pré-sal, que hoje somam mais de US$ 200 bilhões até 2014. Se um herói pró-cíclico dirigisse a Petrobrás e um tucano ocupasse o Planalto, o óleo do pré-sal teria o mesmo destino do minério da Vale: embarque imediato pelo portão do entreguismo; nenhuma preocupação em agregar valor local, impulsionar a industrialização brasileira ou criar um fundo para investir no futuro da sociedade. O mandato de Agnelli na presidência da Vale termina agora. O que está em jogo na sua sucessão é o confronto entre essas duas lógicas: a do interesse público brasileiro e a da coalizão mercadista.

(Carta Maior; 6º feira, 25/03/2011)

Fonte: Carta Maior

::

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s