::

Farsa no Senado

por Carlos Motta

A atuação dos senadores oposicionistas no debate com o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, a julgar pelas notícias dos jornais, beirou a farsa e mostrou a inutilidade absoluta da existência da Câmara Alta – pelo menos com esses senhores a ocupá-la.

O quarteto formado por Tasso Jereissatti, Arthur Virgilio, Eduardo Azeredo e Heráclito Fortes encenou, da maneira irretocável, o papel que nos anos 30 e 40 a indústria cinematográfica americana destinava aos palhaços criados nos palcos dos teatros de vaudeville. A diferença da performance está no fato de que, naquele passado longínguo, os clowns não disfarçavam sua natureza – e o público ria sem comedimento.

Já esse quarteto do espeto, que usou uma sessão da Comissão de Relações Exteriores para tentar achincalhar a diplomacia brasileira, representada no momento pelo chanceler Celso Amorim, faz graça do que é sério e dá risadas de valores – independência, altivez, sobriedade, responsabilidade – que deveriam, pelo cargo que ocupam, cultuar, pois são as vigas-mestras de uma nação que pretende ser forte.
Ninguém é obrigado a concordar com nada deste governo. Mas quando os membros desse quarteto de senadores da oposição partem para a fanfarronice, num debate que exige comedimento e bom-senso, eles insultam não apenas os cidadãos que acreditam no regime democrático, mas também desprezam a própria instituição da qual fazem parte.

Fonte: Crônicas do Motta

::

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s